-->

10 de out. de 2013

5 - Sexo por Compaixão (Sexo por Compasión)

Direção: Laura Mañá
Ano: 1999
País: México

 Dolores é abandonada pelo marido de forma inusitada: ele não aguenta mais tanta bondade. Para todos de seu povoado, ela é uma mulher santa, que ajuda a todos de forma bondosa e despretensiosa. Após confessar-se o padre diz que ela não pecou e que sequer saber o que é o pecado; instigada pelas palavras do padre e pelo abandono do marido Dolores vai tentar cometer seu primeiro pecado entregando-se para um homem qualquer, mas ainda assim as coisas não vão sair como ela planejou.

7 comentários :

  1. José Orlando Terra de Oliveira4 de junho de 2017 22:10

    Filme delicioso de se ver, uma fábula irresistível, realismo mágico. As cores alternadas com o preto e branco/sépia de acordo com o clima da história é um achado deslumbrante.

    ResponderExcluir
  2. acabei de ver: poxa vida, adorei, de verdade! uma adorável fábula, de realismo fantástico! incrível! impossível, para os que leram, não perceber as inspirações literárias, dos clássicos da nossa rica literatura latina; "minhas putas tristes", e, notadamente do fabuloso, "cem anos de solidão", ambos do genial, gabriel garcia marquez, o "gabo". pode crer! além disso, a querida personagem, "dolores", me fez lembrar, por analogia, a notável personagem do excepcional conto, "bola de sebo", do célebre escritor francês, guy de maupassant, o mestre do conto curto, o qual influenciou o outro mestre, só que russo: tchekov... eu vi as mesmas virtudes (bondade, compaixão e amor), de bola de sebo - a "santa prostituta" -, em dolores, sim... que sacada genial, do diretor. sem falar nas críticas subentendidas às hipocrisias sociais, conjugais, clericais etc e tal, feitas com maestria, pelo amado, guy de maupassant... em associação com outros cult movies, especialmente, pela alternância de cores (preto & branco... sépia), alternâncias essas, outra sacada sensacional, nesse sentido; me fez lembrar, o magistral, "nós que nos amávamos tanto", de 1974; do mestre italiano, ettore scolla. e também, um pouco do outro ótimo cult movie: "o carteiro e o poeta". maravilha! pois bem, indicarei agora mesmo, esse excelente cult movie, "sexo por compaixão", ao meu amigão, pedro solberg (atleta olímpico e campeão mundial de vôlei de praia), o qual adora cinema, pois é um cinéfilo inveterado, e manja muito, muito mesmo, da magia da 7arte! bravo! ah! sem falar que, "cem anos de solidão", é seu clássico literário preferido, de pedrão. putz! mais um grande motivo, pra adorar esse grande cult movie... grande mesmo! aaah, um detalhe importante: assim como eu aconselharei ao meu amigão, pedrão, pra que assista a ele, tomando um bom vinho, ou tequila, ou conhaque, faça o mesmo, ao indicar mais esse indispensável cult movie, na tua sessão: "você deveria ver". justíssimo. rs.

    ResponderExcluir
  3. Moisés Giordano Mazza16 de junho de 2020 13:47

    Você mencionou as cores e me fez pensar nessa relação atual da pandemia... Tô com vontade de reassistir e indicar mesmo.

    ResponderExcluir
  4. boa, moisés! tu manjas! lets bora...
    ah! e não esqueça a tequila! olé! rs.

    ResponderExcluir
  5. Moisés Giordano Mazza17 de junho de 2020 00:23

    Assisti Kauwboy ontem e gostei muito, muito mesmo.

    ResponderExcluir
  6. eu sabia, pelo teu refinado bom gosto,
    que gostarias, meu velho... maravilha!
    ah! repito: amarás, "eu existo"! bravo!

    ResponderExcluir

Não conte detalhes sobre a história e não ofenda os amiguinhos